sábado, 13 de maio de 2017

Resenha - O Medo de Virgília

O Medo de Virgília 
Autora: Rosa Mattos 
Idioma: Português 
Páginas: 200 
Editora: Selo Jovem 

Sinopse 
Cercada por pessoas desajustadas (psicopatas, neuróticas, depressivas, insanas, obsessivas, fóbicas e inescrupulosas), Virgília luta para manter sua sanidade mental. Dividida entre cuidar da própria vida e ajudar seus familiares que precisam dela financeiramente, muda-se de Cristal (pequena cidade gaúcha) e vai morar sozinha em Porto Alegre, num apartamento herdado pela mãe. Assim, poderá ficar mais perto de Marília, sua irmã mais nova, internada numa clínica depois de tentar matá-la, após sofrer um surto psicótico. Virgília começa a trabalhar como gerente de uma joalheria. Lá, ela conhece Alex, o entregador de joias e os dois se apaixonam. Em pouco tempo, serão envolvidos por um laço de amor que os manterá unidos, contra todas as adversidades. Além de ser um homem apaixonante, Alex possui um dom incomum, que o torna capaz de tirar vidas, ou salvá-las. E este seu dom, terá um papel importante para os rumos desta história. Uma trama onde o grande mistério é descobrir como Virgília conseguirá lidar com tantas situações difíceis que a cercam, sem enlouquecer. 


O Medo de Virgília é uma obra em que a personagem principal Virgília está sempre interagindo com os personagens secundários, a cada capitulo conta-se um pouco a história de cada um, colocando em evidência a cada novo personagem que surge o contraditório da “MENTE HUMANA”, a capacidade de cada um de criar situações que fogem a compreensão, chegando a assustá-la e fazendo surgir em sua própria “MENTE” o medo de perder a razão e enlouquecer.

A autora Rosa Mattos explora o imaginário dos leitores, no que diz respeito à situações criadas por mentes perturbadas e por que não dizer até mesmo assustadoras. 

“Aquela era a primeira vez que via um homem morrer. Apenas em seus sonhos tinha visto tanto sangue assim. Não sentiu pena. Não sentiu medo. Não sentiu nada, além de um forte arrebatamento, uma espécie de prazer”. (Anne). 

Para falar a verdade nos primeiros capítulos fiquei um pouco confusa com a gama de situações catastróficas que surgem, e perdi um pouco o interesse na leitura, mas não sou de parar pela metade, se começo, gostando ou não vou até o fim, e aí depois fui compreendendo a relevância de alguns acontecimentos para o andamento e desenrolar da trama, me prendendo a essa teia de suspense e mistério.
Após algumas situações catastróficas o aparecimento de Alex na vida de Virgília, que é como um bálsamo surgindo para salvar e resguardar sua sanidade mental. - Será? -. 
Tantos acontecimentos, tantas dúvidas, tantos medos e sua busca incessante pelas respostas as suas indagações tanto a perturbam. Tantas situações criadas por mentes perversas, outras por mentes perturbadas e outras por mentes em busca da paz interior, tentando ajudar aos que necessitam de algum tipo de libertação. 

A autora deixa algumas incógnitas, o que nos faz pensar em um desfecho final para alguns personagens.
Perguntas que ficam na cabeça de nós leitores: 
- Marília, Alan, Jéssica e Anne conseguirão controlar suas mentes e ter um bom desfecho em suas histórias? 
- Dora e Emiliano conseguirão vencer os traumas e medos que os assustaram em toda sua existência? 
A leitura do livro, nos permite ficar mais atentos, e nos faz pensar o quão pouco conhecemos sobre a “MENTE HUMANA” e suas peculiaridades. 
Indicado para quem gosta de um bom Romance Policial, e quem não costuma ler o gênero, é uma boa indicação para iniciação no mesmo.