sexta-feira, 4 de novembro de 2016

BUENOS AIRES EN LA FURIA

A SEMANA EN LA CIUDAD DE LA FURIA começou. Durante nove dias (é isso mesmo, êta semana prolongada!) divulgarei um conteúdo exclusivo sobre o livro NA CIDADE DA FÚRIA, da autora Fernanda Chazan Briones. Vai ter curiosidades sobre a obra? Vai, sim! Vai ter trilha sonora das boas? Vai também! E entrevista, vai ter? MAS É CLARO QUE VAI! O livro conta a história de uma garota corajosa e determinada que quebra todos os padrões. Rachel é seu nome, e Buenos Aires é o cenário de toda a trama. Acompanhe a semana dia após dia e conheça aquilo que nunca te contaram sobre a capital argentina. História, cultura, costumes e – por que não? – muitas lendas urbanas. 

--------------

BUENOS AIRES EN LA FURIA

Cidade Autônoma de Buenos Aires, capital da Argentina. Quem visita a cidade, costuma ir de encontro aos pontos turísticos conhecidos, como o Obelisco e a Casa Rosada. Mas há lugares aos quais nenhum guia turístico pode levar os visitantes. São lugares ocultos, em pontos estratégicos. Bairros tradicionais, com pessoas tradicionais, costumes tradicionais e uma revolução trazida pela juventude do século XXI. Isso não se conhece comendo alfajores, nem indo a shows de tango. São vivências que apenas anos em Buenos Aires são capazes de oferecer. Ou, então, uma boa leitura. 

“Na Cidade da Fúria” foi escrito enquanto Fernanda Chazan Briones morava na Argentina. Na época, a autora estudava literatura e escrita criativa, e o livro foi como uma criança nascendo ali mesmo, no próprio útero. Ela colocou algumas de suas experiências no livro, e fez de alguns amigos, personagens da obra. A isso, somou curiosidades sobre a cidade e a cultura do país, além de referências à história argentina. Senhora Eva, do brechó Perón, é uma dessas referências. 
Fernanda formou-se em correção literária, e depois de trabalhar um pouco ali, um pouco aqui, resolveu voltar a São Paulo, sua cidade-natal, para tentar a vida como escritora. Buenos Aires, no entanto, deixou um belo legado: o livro que tanto representa a grandeza e a diversidade daquele país. 

Abaixo, leia alguns trechos da obra em seus respectivos cenários. Mas, antes, garanta sua participação no sorteio de la furia. 

Para concorrer a um exemplar autografado + brinde surpresa, siga as instruções a seguir:
Curta a página da autora no Facebook – AQUI
Curta a foto oficial do sorteio (na página da autora) e marque quatro amigas (os)
Compartilhe a foto oficial do sorteio em modo público usando a hashtag #SemanaEnLaCiudadDeLaFuria
Confirme presença no lançamento virtual - AQUI

Cemitério da Recoleta:

“A famosa rua Junín. 
Linda, arborizada e cheia de gente.
De um lado, havia mais bares e jovens animados. Do outro, uma frase em latim. Requiescant in Pace. Ou, em português, descansem em paz. As palavras tinham sido estampadas em uma galeria de quatro colunas, dessas de estilo grego, e acompanhavam uma série de símbolos que representavam a vida e a morte. Era uma arquitetura impressionante. Mas, obviamente, não pude admirá-la por muito tempo. Afinal, para onde iríamos? As sirenes se aproximavam e pareciam ser mais de duas. 
Precisávamos encontrar uma saída logo.”

La Bombonera:

“Imagine o lugar mais cheio de gente em que você já esteve. Agora, dobre o número de pessoas na cena imaginada. Bem, se você pintar o lugar de azul e amarelo e acrescentar um barulho ensurdecedor, poderá ter uma vaga ideia de onde eu estava. 
Ali, no meio da torcida do Boca Juniors.”


Rua Florida:

“Estávamos hospedadas em um hotel próximo à Rua Florida, uma rua só de pedestres, cheia de lojas e galerias nas quais havia de tudo um pouco, desde agências de viagem, até fábricas de casacos de couro. E pelo caminho, eu escutava os gritos de alguns argentinos que arriscavam o português e o inglês, e os de outros, que ofereciam produtos em seu idioma nativo.” 

NA CIDADE DA FÚRIA – LANÇAMENTO E TARDE DE AUTÓGRAFOS EM SÃO PAULO
Quando? 12/11, sábado, das 15h30 às 18h30
Onde? Livraria Leitura, Shopping Cidade São Paulo

Veja postagens anteriores