terça-feira, 8 de novembro de 2016

INFO 06: CURIOSIDADES DE LA FURIA

Você já garantiu sua participação no sorteio de um exemplar autografado de Na Cidade da Fúria? E as perguntas para a entrevista com a autora, você já fez? Confira o post  e saiba como participar de tudo isso, além de ficar por dentro de várias curiosidades sobre o processo de criação do livro. Vem! Vale a pena! Tá lindo demais!

No próximo sábado, 12/11, Fernanda Chazan Briones lançará seu livro Na Cidade da Fúria em São Paulo. E até lá, viajamos juntos por Buenos Aires com muitos posts curiosos e divertidos sobre o lançamento, a obra e a autora. 

Você já garantiu sua participação no sorteio que está rolando lá na página da Fernanda? Você pode ganhar um exemplar de Na Cidade da Fúria autografado + um CD de tango progressivo mixado por artistas de San Telmo. As instruções para participar estão no fim deste post. Ah! E não se esqueça: envie suas perguntas à Fernanda através do fb.com/fernandachazanbriones, do instagram @chazanbriones ou do e-mail fernandacbriones@gmail.com. A autora responderá às perguntas dos leitores nesta terça-feira, no mesmo dia do sorteio. 
Mas, e hoje?!
Bem... hoje o post é feito de curiosidades sobre o tema, a obra e a construção de cada capítulo. 
Venha! Embarque em mais uma viagem por la ciudad de la furia!
1) Os personagens “Maly” e “Enio” realmente existem. Maly é uma colombiana, estudante de moda, que além de melhor amiga da autora, foi também a revisora de todos os diálogos en español que você encontra na leitura de Na Cidade da Fúria. Já Enio, é um baiano, soteropolitano, que trabalhou com Fernanda em uma agência de turismo no centro de Buenos Aires.

2) A casa das bonecas, na esquina das ruas Lambaré e Sarmiento, também existe de fato. Fernanda morou a poucas quadras dali, e sempre que passava em frente à macabra casa, pensava nas muitas coisas que poderia escrever sobre o lugar. 

3) O filme “El Secreto de Sus Ojos” também ensinou muitas argentinices à autora, e não só à protagonista de Na Cidade da Fúria. Fernanda também assistiu ao mesmo filme durante anos. Além de muitos outros, que não couberam na história. 

4) Rufina Cambaceres de fato existiu, e a lenda que a acompanha é contada até hoje. Você pode encontrar a história da jovem em muitos livros sobre histórias portenhas e lendas urbanas, além de ouvir detalhe por detalhe em um city-tour chamado Buenos Aires Macabra, que é feito à noite pela cidade e à tarde no Cemitério da Recoleta. 

5) Burguer Joint, a lanchonete em Palermo Soho, também existe. Fernanda foi uma das primeiras clientes do lugar, assim que a casa abriu. Os hambúrgueres citados no livro fazem parte do cardápio da lanchonete, e Alex, o dono do estabelecimento, ficou muito feliz com a homenagem feita. Tão feliz, que deu à autora um hambúrguer grátis, com direito a maionese de coentro e tudo. 

6) O superclássico entre Boca Juniors e River Plate foi inspirado no retorno de um fiel jogador boquense que recém havia voltado da Europa: Carlitos Tevez. 

7) Mascherano é o segundo nome de Nahuel, um dos personagens mais importantes do livro. Mascherano é também o nome de um famoso jogador da seleção argentina de futebol, e do cachorro da autora, um vira-lata preto que tem sua própria camisetinha da seleção com o número 14, oficialmente conhecido pelo jogador Javier Mascherano.

8) A droga “burundanga” era uma febre na época em que o livro estava sendo escrito. Uma amiga da autora, inclusive, sofreu um atentado na rua, sendo dopada pela substância. 

Gostou de saber um pouquinho mais sobre o processo de criação de Na Cidade da Fúria? Então participe do sorteio para garantir seu exemplar autografado!