quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Mulheres Que Não Sabem Chorar - Resenha

2017 chegando e eu cheia de resenhas para postar 😁... O mês de dezembro foi cheio, final de período na faculdade, ano letivo das crianças, festas, visitas e passeios de fim de ano... Enfim!
Mas agora vamos lá, colocando em dia as leituras e resenhas!

Um Livro Intenso, impactante, com temas complexos e completamente reais!

Mulheres que não sabem chorar
Autora: Lilian Farias
Ano: 2016 
Páginas: 210
Idioma: português
Editora: Giz




A vida de Marisa é regida pelo controle. Seja à frente do seu trabalho ou da vida dos filhos, ela é racional, mantendo-se sempre fria, um ser à parte das banalidades, cuja única preocupação é ser um exemplo. Olga é sua antítese. Sentimentos à flor da pele, dor flagelando a carne, pensamentos embaçados pelo esquecimento proporcionado pelo álcool. Sozinha, preocupa-se em apenas ser, em um mundo cercado por fatos que não reconhece mais como seus. Enquanto isso, Ana e Verônica esbarram com o acaso.
Duas senhoras solitárias, vizinhas e antagônicas. Será que um dia alguém acharia que poderiam viver em paz? Mais ainda, será que poderiam se apaixonar? Duas jovens livres e independentes. O que as impede de ficar juntas? 
Mulheres que não sabem chorar é mais que uma história de amor entre iguais. Junto a estas personagens tão humanas, o leitor vê-se despido dos preconceitos, pudores e medos. Ora crua, ora poética, a trama nos obriga a enfrentar o espelho e se ver como nunca imaginou antes. Pois ao mergulhar neste romance, o que fará você pensar não é a forma como vê o amor, mas sim a forma com que ele se volta em sua direção. Esteja preparado.
(Danilo Barbosa - Autor de Arma de Vingança)
A Lilian pôde contar com histórias e depoimentos de muitas mulheres, algumas desnudaram-se para dar vida e alma a esse livro... E o resultado não poderia ter sido diferente!

A história é narrada pela Ana no ano de 2044. Em Mulheres que não sabem chorar, conhecemos personagens femininas marcantes, batalhadoras e fortes, mesmo diante das suas limitações. Que enfrentam suas lutas, suas dores, em busca de um único objetivo: Ser Feliz!
"Eu vou narrar o que sei dessa história, contar para todas as mulheres porque devemos chorar; porque devemos esvaziar como uma nuvem cinzenta de chuva que precipita."
Somos apresentados a personagens que enfrentam dia a dia uma batalha contra a exclusão em uma sociedade preconceituosa, que não aceita a existência de um amor verdadeiro entre iguais.
Olga e Marisa são as duas protagonistas e apesar de serem vizinhas a anos, não se suportam.
Cada uma por seus motivos, Marisa era viúva e seus dois filhos resolveram morar fora do país para estudar. Olga é separada e sua única filha acabou de falecer. As duas acabaram ficando sozinhas.
As duas mulheres tem personalidade diferentes, mas ambas passaram por frustrações que culminaram por torná-las incompletas e em um determinado dia, uma delas se tornou presa fácil de um ato cruel, e a outra, apesar de sentir um certo ódio em seu coração, à salvou e passou a ser sua heroína.
Aos poucos tudo se transformou, e não apenas nas vidas da Marisa e da Olga, com também na de outras personagens que vão surgindo no decorrer do livro.
A cada capítulo nos vemos cada vez mais envolvidos na trama, que mostra o passado e o presente de alguns personagens, e nos damos conta de que mesmo vivendo em uma mesma sociedade que se diz moderna, evoluída.... Alguns fatos absurdos que vemos acontecer com muita frequência nos dias atuais e que não deixam de ser menos bárbaros, do que os que ocorreram décadas atrás.
Um romance lindo e triste, com segredos e mistérios que abordam assuntos como: alcoolismo, estupro, crimes contra mulheres nas ruas, relatos da ditadura militar onde mulheres eram internadas em sanatórios apenas por pensar, sentir ou agir diferente do que era permitido, e sofriam agressões horríveis.

Um livro curto com vários personagens, porém todos muito bem trabalhados e que ao decorrer das páginas, vão interligando entre si e proporcionam um final surpreendente, daqueles que deixam o leitor perplexo e indeciso, sem saber se  xingam a autora (brincadeira Lilian ^^), ou se a parabenizam por ter pensado algo inimaginável para aquele momento.
A diagramação é linda, fiquei apaixonada pela capa, e o detalhe de separar cada capítulo com uma folha nomeando-os com nomes de flores ficou encantador.
No final a Lilian ainda nos presenteia com um Dicionário Victoriano das flores. As folhas são amareladas e a fonte propícia para uma boa leitura, o único ponto falho foi a parte da revisão, acabei encontrando alguns erros de ortografia ao longo do livro.